Rogério Costa Pereira @ 02:15

Sab, 23/01/10

Chamo-me Rogério da Costa Pereira e quero muito ser anónimo. Mais!, quero ser uma agência de comunicação ao serviço do Governo, coisa que, segundo os homens que titulam e mandam neste blogue, é garante de reforma farta, de Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo por «dever e tradição» e de feudos fecundos até à décima geração. Tive dúvidas, oito delas!, na escolha do nome que o meu anonimato havia de pompear. Pensei em Rafael Marques, Rafael Marques, Rafael Marques, Rafael Marques, Rafael Marques, Rafael Marques, Rafael Marques e banco do jardim de S. Amaro. Fui pelo quinto, que me pareceu insuspeito e virgem de maldade. À suivre.

Rafael Marques



... partiu o espelho.