Rogério Costa Pereira @ 02:43

Dom, 31/01/10

Não podemos aceitar que os fantasminhas sejam prisoneiros de um lençol. Gasparzinhos sem vida social, privados de identidade? Não!



... partiu o espelho.