Rogério Costa Pereira @ 00:43

Qui, 26/01/12

«(...) como aquele lendário moço de confeiteiro que assistiu à tomada da Bastilha com o seu cesto de pastéis enfiado no braço, e quando a derradeira porta feudal cedeu, e a velha França findou, deu um jeito ao cesto leve, e seguiu, assobiando a "Royale", a distribuir os seus pastéis.» [in "Coimbra de Antero", Eça de Queirós]



... partiu o espelho.