Rogério Costa Pereira @ 22:18

Sex, 10/02/12

 "(...) é escandaloso e uma grave quebra dos padrões jornalísticos", dizem os boches disto. E os boches têm razão; bons, bons eram os padrões jornalísticos aqui há coisa de oitenta anos. Mais judeu, menos judeu, a verdade era sempre desvelada. E aquelas conferências de imprensa? "Hoje abrimos mais uma vala comum que se revelou suficiente para albergar todos aqueles sub-humanos". Mas, caramba, estou a ser injusto e escandaloso, que oitenta anos é uma eternidade e o que lá vai lá vai. Há mas é que pôr esse holocaustozinho para trás das costas. Eles hoje estão diferentes. Já não querem dominar a Europa à custa de tais métodos, que o gás está pela hora da morte (ups, esta foi involuntária). O gás dos tempos modernos assume outras formas, como ontem bem se viu.

Haja vergonha, haja decência, haja memória. Haja espinha, raspar, haja espinha, que quando te dobras daquela forma estás a vergar-te em nome de um país que não conheces e não representas. E sabes que mais, vedor da fazenda?, para a próxima não digas "agradecemos muito". O plural, ainda que majestático (wishful thinking...), não te é permitido.



... partiu o espelho.