Rogério Costa Pereira @ 02:42

Ter, 01/11/11

 

Não ouso insinuar que estava errado, Professor. Limito-me, com mais factos (todos ignóbeis) e 21 anos depois, a afirmá-lo. No entanto, gostava muito, deuses à parte, de o ouvir falar desta Europa de hoje. Deste nosso Portugal de gaspares. Do que fizeram à sua "guerra do homem contra o homem", como ideal económico que o Professor alegorizava com a, hoje, lengalenga do "lápis mais perfeito". Uma coisa é certa, foram os portugueses que fizeram de Portugal aquilo que ele (não) é hoje. Ontem, quando via o "Meia-Noite em Paris", de que o Luís já aqui falou, imaginei-me numa mesa, de trinco na boca, a ouvir Pessoa e Agostinho. A falar de Portugal. Sabendo de antemão o quanto vos deixámos mal. É uma pena haver horas, Professor; é uma pena haver portugueses que insistem em rumar contra Portugal. E alguns, veja bem, nem são ministros ou deputados. São o Dantas do Almada. E, assim sendo, eu quero mesmo ser Espanhol! 



... partiu o espelho.