Rogério Costa Pereira @ 19:28

Sab, 17/09/11

O Ministro da Contabilidade da Saúde, a propósito do aumento das taxas moderadoras ("moradoras", como ouvi dizer a uma utente), disse, e cito de memória, que se tratava de cumprir mandato da troika (a citação pode não ser fidedigna, uma vez que eu andava demasiado atarefado a descascar o meu trabalho em impostos para tapar os túneis da "pérola do atlântico"). Seja como for, a expressão “mandato da troika” foi usada, o que faz do actual Governo de Portugal um mero prestador de serviços, a mando de boches e defrogs. E aqui chegámos. Ora isto são que horas?

Manifestis Probatum

Esta resma de gatafunhos na imagem, para além de não respeitar o acordo ortográfico, avançava com uma patetice - vejam bem a ousadia - que afiançava algo como: "Concedemos e confirmamos por autoridade apostólica ao teu excelso domínio o reino de Portugal com inteiras honras de reino e a dignidade que aos reis pertence", Bula Manifestis Probatum, de 23 de Maio de 1179.

Não liguem, é coisa beata e antiga, a caminho dos 900 anos. Nada que se compare com o "mandato da troika". Sigamos, pois!

NOTA: ao menos, que se vendam os direitos da graça da desgraça em título ao Spielberg e que se faça algum dinheiro. Por certo que Manifestis Probatum & Mandato da Troika é bem mais apelativo do queCowboys & Aliens. No eixo fraco-alemão é sucesso garantido. No eixo, disse eu. Muito curioso. No eixo...



... partiu o espelho.